Loading...

TERAPIAS

A Dor Física ou a Dor Psicológica podem surgir em qualquer momento. A Hipnose Clínica é uma excelente resposta ao sofrimento emocional e ao controlo da dor física. De forma rápida e natural, evita (ou reduz) o recurso a fármacos. Destinada a pessoas de todas as idades, a hipnose clínica é uma técnica extremamente segura e eficaz no tratamento de diferentes problemáticas, nomeadamente:

– ansiedade, depressão, medos, traumas, luto, ataques de pânico, fibromialgia, disfunções dos sono (insónia, sonambulismo, bruxismo ou “ranger os dentes”…), perturbações alimentares (bulimia, anorexia, obesidade,…), perturbações de eliminação (enurese, encoprese), outras perturbações emocionais (bullying, mobbing, dificuldade em enfrentar desafios,…), assim como, na dor física, nas fobias, nos tiques e alergias (respiratórias, asma,…), nos vícios (tabagismo, álcool, jogo,…), entre outras.

A hipnose é ainda um excelente coadjuvante nos tratamentos de estomatologia, dermatologia, ortopedia, gastroenterologia, fisioterapia, …

A Psicologia estuda os Processos Intrínsecos (Pensamento e Emoções) e o comportamento humano.
Para além do atendimento clínico para tratar distúrbios do comportamento humano (Ansiedade, depressão, sentimentos de isolamento social, inseguranças, perturbações alimentares, enurese, encoprese,…), acompanha o processo de recrutamento e seleção profissional de empresas, faz o aconselhamento de carreira (orientação escolar, profissional, reconversão profissional) e a avaliação de condutores, entre muitas outras.

A Neuropsicologia estuda as relações existentes entre as diferentes estruturas do cérebro e comportamento humano. A neuropsicologia visa a identificação de alterações de funções cognitivas (como a percepção, a memória, a atenção, o raciocínio, o autocontrolo, a flexibilidade, a planificação, a motricidade, a leitura-escrita, as habilidades sociais, etc.) e a sua reabilitação.

A Neuropsicologia atua em áreas relacionadas com:

–  as Dificuldades ou perturbações de aprendizagem (Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção, Perturbações Especificas de Linguagem, Dislexia, Discalculia, Disortografia, Disgrafia, Dispraxia, Perturbação de Aprendizagem Não Verbal, Sobredotação,…)
– as perturbações com base neurológica (Perturbação de Espectro de Autismo, Síndromes genéticos, Prematuridade ou baixo peso ao nascer, Epilepsia,…)
– o dano cerebral adquirido ( traumatismo craneo-encefálicos, A.V.C., tumores cerebrais, efeitos secundários de quimioterapia e radioterapia,…)
– o envelhecimento normal, deterioração cognitiva, demências, doenças degenerativas.

A Psicopedagogia procura compreender o processo de aprendizagem e quais os possíveis fatores que conduzem às dificuldades de aprendizagem (escolares, profissionais, relacionais,…), diagnosticando e maximizando as capacidades individuais.

Áreas de intervenção:

a) Nas Necessidades Educativas Especiais (Deficiência Mental, Atraso Global do Desenvolvimento, Síndrome de Down, Autismo,…),
b) Nas Dificuldades de Aprendizagem Especificas (Dislexia, Disortografia, Disgrafia, Discalculia, Dispraxia, Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção, Perturbação de Aprendizagem Não Verbal, Sobredotação …) e
c) Nas Dificuldades de Aprendizagem (dificuldades decorrentes de obstáculos, interiores ou exteriores, que impedem a pessoa de realizar uma determinada aquisição).

A terapia da Fala foca-se na prevenção, avaliação e tratamento da comunicação humana, nas diferentes fases da vida e do desenvolvimento, nomeadamente: nas dificuldades de articulação (produção incorreta de sons), na gaguez, na voz (rouquidão, soprosidade e/ou aspereza na voz), nas dificuldades de expressão e de compreensão (devido a AVC ou traumatismo craniano) e, também nas dificuldades de alimentação e deglutição e na afasia.

A terapia com PNL (Programação Neuro Linguística) visa uma reestruturação dos processos neurológicos de forma a atribuir novos significados emocionais às experiências humanas.
Através da tomada de consciência de hábitos e processos mentais limitadores, a PNL visa tornar os comportamentos, hábitos e pensamentos mais saudáveis e eficazes, fortalecendo a identidade e facilitando a superação de desafios pessoais, familiares, profissionais e sociais que surgem no dia-a-dia.

A mediação familiar é um processo que visa ajudar um casal em instancia de divórcio a resolver o seu conflito, de forma mutuamente aceite.
Funcionando como alternativa à instancia judicial, a mediação familiar procura guiar o casal a alcançar um acordo justo e equilibrado, atendendo aos interesse de todo o agregado familiar, com a ajuda de um mediador neutro e qualificado.

Objectivos da mediação:

– Um acordo adaptado à realidade de cada família,
– Um acordo que vá de encontro às necessidades de todos,
– Um acordo elaborado e refletido pelos pais em conjunto com os filhos,
– Um acordo elaborado e aceite pelas partes envolvidas.

É possível recorrer à Mediação Familiar em qualquer fase do processo de divórcio ou separação. Assim, é possível solicitar o auxilio de um mediador para se estabelecer um acordo justo e posteriormente requerer à conservatória que este seja homologado por sentença. A mediação pode ainda ser requerida durante o processo judicial, por iniciativa das partes ou do magistrado; bem como na fase pós judicial nos casos em que seja necessário reajustar as premissas do acordo ou surja novo conflito.